Reportagem: Canadiano completa Volta ao Mundo a Pé onze anos depois de sair de casa

Jean Beliveau tinha 47 anos e atravessava uma fase difícil da vida, com uma depressão.  Decidiu então dar uma volta ao mundo… a pé. Saiu de casa, acompanhado unicamente com um carrinho de bebé e foi caminhando. Este domingo regressa.

 

Dar uma Volta ao Mundo é um feito só para alguns. Aventureiros que de carro, de mota, de barco, de avião, de comboio, de balão ou até de bicicleta, tiram um período sabático e percorrem dezenas de países do Mundo, dos mais inóspitos aos mais afáveis, dos mais perigosos aos mais pacíficos.

Porém, dar uma Volta ao Mundo a Pé, isto é, literalmente a andar, é um facto excepcional!! De acordo com os registos, somente o norte-americano David Kunst o havia feito, num périplo de 23 mil quilómetros ao longo de quatro anos, entre 1970 e 1974, e que ficou marcado pela tragédia, quando o seu irmão foi baleado e morreu no Afeganistão.

 

No dia da partida, com a esposa

O caso de Jean Beliveau é ainda mais ‘unbelievable’. Não foram quatro, nem oito, mas onze anos a percorrer o mundo a pé, desde que saiu de sua casa, em Montreal, no Canadá, às 9 horas da manhã do dia 18 de Agosto de 2000.

Momentos marcantes

O ex-vendedor de luzes neon deixou para trás família e amigos, para esta viagem global, designada de ‘World Wide Walk’ e que teve como objectivo “promover a paz e a não-violência em prole das crianças de todo o Mundo”.

Beliveau recorda que saiu de casa para “mudar radicalmente a minha vida, queria deixar o mundo material e perceber o mundo real”. E acredita que, com esta odisseia, pode contribuir para o mesmo de forma positiva, sendo sintomático disso o encontro que teve com Nelson Mandela: “acho que juntos (com Mandela) podemos mudar o destino para um mundo melhor”.

 

Em Águas de Mouras, Portugal

Outros momentos marcantes Beliveau assinalou no seu portal: a entrada no México, “um novo mundo que se abre: exótico; choque cultural e fascinante”; quando esteve prestes a desistir, na Etiópia, “onde vivi sentimentos de solidão e desânimo”; ou até quando conheceu pessoalmente quatro galardoados com o Prémio Nobel da Paz.

Passagem em Portugal

Portugal não ficou de fora deste passeio e foi um dos 64 países por onde Beliveau andou: chegou a Lisboa a 2 de Dezembro de 2005, depois de Rabat, em Marrocos, e cruzou o país ao longo de 246 quilómetros.

Para além da capital portuguesa, onde foi entrevistado pelo jornal Público na Avenida da Liberdade (o que me permitiu conhecê-lo), Beliveau percorreu o Seixal, Águas de Moura, Vendas Novas, Montemor-o-Novo, Arraiolos e Elvas, tendo seguido viagem por Badajoz, Espanha, a 23 de Janeiro de 2006.

 

Mapa do caminho tomado por Beliveau

Por dia, ao longo destes 11 anos e quase dois meses, Believeau percorreu entre 30 a 40 quilómetros, acompanhado somente por um carrinho de bebé com três rodas, onde transportava mantimentos, roupa, ‘kit’ de primeiros socorros, tenda e saco cama.

Beliveau cumpre o objectivo este domingo, depois de ter percorrido 75.543 quilómetros e gasto 53 pares de ténis.

 

aproveite ainda para ler as outras reportagens:

Quer aprender a enfiar um prego de 13 centímetros pelo nariz?

Exposição “Arte da Guerra” origina livro

Lisbon é palco do 2º Simpósio Internacional Urban Skechers

Um dia no Espaço de Maria Gabriela Llansol

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: